To our foreign visitors: Our site is in Portuguese. If you have any difficulty ordering, please contact us and we will help in everything we can.
  Blog

66 POEMAS, Hans Magnus Enzensberger na imprensa

Escrito em 25 de Jan. de 2020

66 POEMAS, Hans Magnus Enzensberger na imprensa

"[...] no final do ano passado, o poeta que entre nós mais tem actuado com uma eficácia ao mesmo tempo escandalosa e consequente apresenta-nos uma escolha deste seu comparsa que, como ele, tão longe foi no sentido de criar uma obra absolutamente incorrupta, e que por todos os meios se furta a dizer o que é suposto, a seguir as directrizes do poder. O poeta é Alberto Pimenta.
[...] Pimenta sublinha que Enzensberger «tem a arte de saber dizer aquilo que no meio disto tudo o desgosta, e porém dum modo de que se pode gostar, e talvez seja isso uma das suas mais ricas sementeiras de poesia!» Diz-nos isto no fim, depois de termos lido os poemas que escolheu [...]
[...] nesta antologia, a própria hesitação da língua é um rasgão que nos não permite avançar por estes 66 poemas sem que os sentidos vão como canários, absolutamente alerta. O que ganha relevo já não é apenas o grau da convicção, mas a noção de que o processo revolucionário da poesia está vinculado a um laboratório enfiado alguns pisos abaixo do ruído do mundo [...]
[...] Alberto Pimenta trata de ir buscá-lo ao alemão que é de Enzensberger, e fá-lo entrar, não num português que ressoa pelos anfiteatros, mas num idioma que sabe colher as imperfeições da poesia, obrigando a língua a dizer algo que está ao lado, um pouco além do seu alcance natural. E a transmissão que assim se apanha foge ao que está aí já a ser discutido; é qualquer coisa que vem do futuro. O futuro, diz-nos Enzensberger, é isso que, em face do que actualmente é dado como adquirido [...] fala como se o futuro fosse possível, como se a liberdade de expressão fosse possível entre pessoas livres, como se não estivéssemos sujeitos aos fenómenos de alienação.» E, assim, na mais leal das homenagens a Enzensberger, Pimenta muda uma vez mais a sua camisa de morte e perfuma-nos o quarto de vida.
⁠— Diogo Vaz Pinto, Semanário Sol, 25 de janeiro 2020

https://sol.sapo.pt/artigo/684125/hans-magnus-enzensberger-vejam-se-no-espelho-covardes?fbclid=IwAR0jFDywxgBG-Fhvm4nCJruNYiuwBXH2QNBoQfm6bSK8_DecBAuyHnzjgNY


×