Durante o mês de Agosto as encomendas recebidas só serão expedidas após o dia 19.
  Blog

PENSAR DEPOIS NO CAMINHO de ALBERTO PIMENTA, no ÍPSILON por Hugo Pinto Santos

Escrito em 05 de Set. de 2018

«Um poema de Alberto Pimenta motiva sempre uma descida inesperada e irremediável dos níveis de previsibilidade e segurança. Porque todo o trabalho de Pimenta é risco e imoderação. A sua actuação é de uma permanente imponderabilidade. O poema, este poema, é uma imparável máquina produtora (e revolucionária) de sentidos. A fluidez com que avança o verso, sem quase quebras estróficas ou organizadoras, equivale ao modo contínuo como os temas se entrelaçam uns pelos outros. E nadase torna acumulação, pois do que se trata é de uma certa naturalidade, uma espécie de inevitabilidade. É o modo altamente orgânico como os elementos se conhecem como afins; esse tónus ilocalizável que possuem as palavras e os seus agrupamentos quando é a arte de Pimenta que os coliga. Mais do que combinatória, é uma arte mágica, porque não enjeita o que há de sortílego na criação. 

[…] O que, em Pimenta, mais impressiona é que a erudição nunca surge como um convidado inconveniente, uma excrescência — mas como aquilo que sempre lá devia ter estado, desde sempre, e para todos os efeitos.

[…]
Neste poema épico, Alberto Pimenta revisita uma herança comum de iniquidades e desmandos, de violentos acessos dos deuses às coisas da humanidade, de guerras como as de Tróia, mais do que uma vez lembrada, de indignidades de agora que são de sempre.»


[…]

Pensar depois no caminho é obra de um poeta profundamente sabedor de que “tudo se recombina” (A Magia Que Tira os Pecados do Mundo) e que a função da poesia é “ampliar o mundo/ não/ reduzi-lo ao tamanho de cromos” (De Nada, Boca, 2010). Um poeta que faz conviver, através de uma forma poética declaradamente exigente, as mais desavindas proveniências, que confluem na personagem colectiva que é a humanidade.»

— Hugo Pinto Santos, sobre PENSAR DEPOIS NO CAMINHO de ALBERTO PIMENTA, no suplemento Ípsilon, Jornal Público, 17.8.2018

https://www.publico.pt/2018/08/23/culturaipsilon/critica/a-epica-do-presente-continuo-1840896


×