Portes grátis para encomendas em território nacional enviadas em correio editorial

Blog

PENSAR DEPOIS NO CAMINHO de ALBERTO PIMENTA, no ÍPSILON por Hugo Pinto Santos

Escrito em 05 de Set. de 2018

«Um poema de Alberto Pimenta motiva sempre uma descida inesperada e irremediável dos níveis de previsibilidade e segurança. Porque todo o trabalho de Pimenta é risco e imoderação. A sua actuação é de uma permanente imponderabilidade. O poema, este poema, é uma imparável máquina produtora (e revolucionária) de sentidos. A fluidez com que avança o verso, sem quase quebras estróficas ou organizadoras, equivale ao modo contínuo como os temas se entrelaçam uns pelos outros. E nadase torna acumulação, pois do que se trata é de uma certa naturalidade, uma espécie de inevitabilidade. É o modo altamente orgânico como os elementos ... Ler mais

“Pensamentos” de Giacomo Leopardi na Revista E do Semanário Expresso

Escrito em 25 de Ago. de 2018

Os cento e onze fragmentos que Giacomo Leopardi redigiu ou reformulou entre 1831 e 1835, e que foram publicados após a sua morte, antes dos 40 anos, em 1837, são uma destilação do famoso “Zibaldone”, as quase cinco mil páginas de anotações que este aristocrata erudito e infeliz nos deixou. Tal como os livros dos “moralistas” franceses (um dos quais, La Bruyère, é citado), esta colectânea (aqui em edição bilingue, e com um substantivo posfácio) propõe-se comentar a conduta humana, os hábitos sociais, as lições da experiência. Mas não se pense que Leopardi apenas verifica comportamentos: percebemos que supõe conhecer ... Ler mais

Yvette Centeno sobre Pensar depois no caminho, de Alberto Pimenta

Escrito em 23 de Jun. de 2018

Texto completo no seu blog Literatura e Arte «Porque este poeta não permite descanso: a sua força poética tem pulsão de performance,  mas tem igualmente a subtileza rara de uma erudição discreta, não menos exigente. Poesia de contrastes, como de contrastes é feita a sua personalidade, que assim se manifesta: no dito e no seu oposto, no aceite e no recusado – e sempre com uma veemência que nos apanha em contrapé. Se num lado (pp.78-79) exprime em versos aparentemente tranquilos o que foi Tróia, com a Bela Helena, a sua perfeição, logo do outro nos atira à cara que ... Ler mais
×